Como as bebidas mudaram o mundo

As bebidas já nos ajudaram em epidemias passadas, foram moedas de troca, motivaram avanços tecnológicos, foram fonte de alimento extra e principalmente moldaram nossa cultura, nos transformando em quem somos hoje.


1. Qualquer coisa menos água.

Na Idade Média, a cerveja teve uma função importante para a sobrevivência durante grandes epidemias, como na trágica "Peste Negra". Isso porque o mosto da cerveja era aquecido durante sua produção, o que impedia a proliferação de doenças. Naquele tempo não existia saneamento básico, e a água era um dos principais vetores de doenças nas grandes cidades. O vinho e o hidromel também ofereciam uma certa proteção graças ao alto teor alcoólico.


2. Vai uma gelada?

Algumas formas de refrigeração artificial já eram conhecidas desde o século XVIII. Porém somente em 1857 que James Harrison conseguiu criar um dispositivo de refrigeração capaz de ser utilizado pela indústria. Esta primeira "geladeira" foi encomendada por uma cervejaria, que bancou o projeto todo. Isto tornou possível controlar a temperatura durante a fermentação, possibilitando à fábrica produzir cerveja o ano todo, revolucionando assim o processo de produção da bebida.


3. Só se vive duas vezes.

A fermentação é uma das maneiras mais eficientes de conservar e dar uma "segunda vida" ao alimento excedente, que de outra maneira poderia apodrecer. No passado, onde alimentos não eram tão abundantes quanto hoje, poder aproveitar restos de uma colheita de maçãs para fazer sidra ou fermentar cereais que estragariam em cerveja, fazia a diferença, principalmente durante o inverno.


4. Me pague com bebida, por favor.

Tábua antiga da cidade de Uruk, com registros de salários em cerveja.

Nas antigas Mesopotâmia e Egito, um dos pagamentos mais comuns dado aos trabalhadores, era através de nada menos que, cerveja. No mundo antigo, a cerveja era uma bebida fermentada rica em amido e podia servir como refeição. E na Idade Média, temos vários registros do poeta do século XIV Geoffrey Chaucer, sendo pago em vinho. Ricardo II generosamente deu a Chaucer um suposto salário anual que incluía uma "tonelada" de vinho por ano, que eram cerca de 252 galões.



5. Grandes Admiradores

É possível encontrar grandes personalidades ao longo da história se declarando às bebidas, como na famosa citação de George Washington: "A cerveja prova que Deus nos ama, e nos quer felizes". Ou como já dizia Fernando Pessoa: "Boa é a vida, mas melhor é o vinho". Na literatura clássica o hidromel sempre foi um "queridinho", de poemas épicos como Beowulf, a autores como Chaucer. O hidromel vem sendo romantizado a séculos por escritores como Tolkien, Orson Scott Card, George R. R. Martin, entre muitos outros, principalmente como um elemento importante para lendas nórdicas e contos medievais.



6. Bebida Imaculada

A verdade é que temos uma relação quase que sagrada com as bebidas. Assim como o cálice de vinho é um elemento sagrado no cristianismo, no Egito, o mais poderoso dos deuses, Rá, estava associado à "cerveja", além da "vida" e "amor". Na mitologia grega, o hidromel era muitas vezes referido como "a bebida dos deuses"  e para os vikings, era o único alimento do deus Odin.

Qual era a "bebida dos deuses" mesmo?

74 visualizações